31 de dezembro de 2008

Evoluindo para 2009


Sempre tive uma pequena birra com o ano novo. Sempre militei pelos fracos e aprimidos 364 dias que nunca tem a sua vinda comemorada à meia-noite.

Continuo militando nesse movimento sim, mas hoje queria propor uma reflexão totalmente diferente da habitual nessa data.

Vamos parar de pensar em um ano novo?

Não, não tenho nada contra a passagem do tempo, e sim estou defendendo a saudável passagem dele. Explico: Será que a gente sempre tem que passar uma borracha no ano que passou, querendo que tudo seja 100% novo no ano seguinte, como se fosse político em final de mandato não querendo deixar nada para o eleito seguinte?

O mundo não andaria pra frente se cada ano que pasasse a gente tivesse um "reset" na idade e ficasse eternamente em um ano de vida. Da mesma forma que nenhum projeto é completo se não evoluir por todos os seus estágios seguintes.

Boas idéias sempre devem fazer parte da nossa rotina, e não só pra primeira semana de janeiro. Mas também não existe nada tão bom como ver um projeto desabrochando depois de muitos meses de gestação. Eu mesmo sempre gostei de criar muito mais que administrar, sempre arrisquei muitos projetos que nunca cheguei ao final. Mas se tem uma coisa que quero deixar marcado para o ano que vem, e faço disso um convite extensível à você que me lê agora, é botar as máquinas para trabalhar e administrar bem tudo que assim necessite. Na medida que isto o mereça.


Chega de revolução e viva a evolução!

E muitas boas obras em 2009 :)

30 de dezembro de 2008

Presentes pós-natalinos!


A ordem da internet é compartilhar. E como é final de ano, vamos aos presentes virtuais?

A Radio 1 disponibilizou ao longo da semana que antecedeu o natal um download por dia do melhor do ano de 2008 na rádio, dentre também algumas gravações especialmente para as festas de fim de ano. Vamos à elas:


Coldplay - Have Yourself A Merry Little Christmas

Uma composição executada e cantada por Chris Martin que lembra muito as músicas natalinas do musical da Disney "Tempo de Melodia". Muito sentimental (e nostálgico).


Kings Of Leon - Sex On Fire

Vai ser difícil falar no que de bom aconteceu na música em 2008 sem citar Kings Of Leon. Pelo menos pra mim. Por tudo isso e mais alguma coisa, não seria justo deixar eles de fora da festa de fim de ano.


MGMT - Eletric Feel

Outra boa surpresa do ano que se passou, numa canção tão boa quanto as que você ouviu deles por aí. Pra quem já foi capaz de ouvir vozes gritando por Pink Floyd numa música deles, não é qualquer coisa assim...


The Last Shadow Puppets - Standing Next To Me

Se esse foi o ano que Alex Turner empunhou mais o violão ao invés do microfone e da guitarra, pelo menos não foi em vão. Os fãs pelo menos conseguiram se consolar a falta de novos trabalhos dos Arctic ouvindo sucessos como "My Mistakes Were Made For You" e agora ganham a versão uma made in BBC. Chique?


The Ting Tings - Shut Up And Let It Snow

Se você já perdeu completamente a paciência com os bumbos repetitivos e a voz infantil invocada do The Ting Tings esse ano, um tiro de misericórdia e um pedido de desculpas: Uma pequena paródia com a música "Shut up and let me go". Não é muito educada, mas funciona.


The Script - The Man Who Can't Be Moved

The Script também fez bonito no ano que se finda. Muito mais pelo single "Before It Worst" do que qualquer outra coisa que você vá encontrar nesse ao vivo. Não espere mais que uma música simpática.

29 de dezembro de 2008

Tá livre?

Fim de ano, férias, preguiça de atualizar o site, estagiário sozinho na empresa...



Eu sei.

UPDATE: Ainda está no ar! Voluntários do meu Brasil varonil, votem djá!

23 de dezembro de 2008

Temos visita


- Besouros são voyagers!
- Porquê?
- Lembra aquele besouro que ficou rondando a TV ontem?
- Sei.
- Tá aqui no banheiro me vendo tomar banho.

18 de dezembro de 2008

Passe bem a mensagem



O importante é a 'fineze', sempre.

Esquecendo um pequeno detalhe



(Do programa de TV que revelou (ou castigou) a todos nós Geraldo Luis, o A Hora da Verdade)

16 de dezembro de 2008

O aquecimento global e eu

Se existe um único ditado que explica todo meu jeito de ser, é este aqui: "Quando tudo dá errado, é sinal que agora só sobrou a chance de dar certo"

Cai um dilúvio na cidade de Americana. No verão é até compreensível, mas ao meio-dia?

Esperei a chuva baixar para sair. Fui à loja, comprei o que precisava e rumei pra casa. E a chuva foi voltando, engrossando e relampeando.

Quando chego à minha rua a minha maior surpresa é que ela se transformou em uma verdadeira corredeira, digna das boas lembranças de Brotas do nosso cantor e cara-única Daniel. Como vencer esse desafio?

1) As regras do jogo proíbem o uso de celular, já que você foi burro o bastante pra deixá-lo em casa!

2) Você não pode usar o orelhão, já que ele está bem ao lado de uma tampa de bueiro vertendo água, com milhares de carros passando em alta velocidade por cima, jogando água como Silvio Santos joga dinheiro pro alto.

OBS: PORQUE CARROS CORREM DEBAIXO DE CHUVA? Pedestres correndo é perfeitamente compreensível, mas carros? Porquê correm? Pra molhar o maior número de pedestres, pegar a estrelinha, juntar 100 pontos e passar de fase?

Você deve ter me visto subindo e descendo a rua inúmeras vezes bolando uma maneira altamente sagaz para entrar em casa: Pulando carros, subindo muros, gritando "TSUNAMI!", etc... Porém tudo em vão.

Juntei coragem e corri sobre as águas, e.... consegui! Alcancei o portão de casa!
Eu já estava comemorando ter passado o chefão mais difícil daquela fase quando a calçada da minha casa, que já fez muitas vítimas, fez mais uma: Eu de CHINELO (Não dá pra falar que Murphy não atenta a detalhes, não?) levo aquele gracioso e cinematográfico TOMBO no meio da enxurrada.

GAME OVER.
Chuva WINS!

15 de dezembro de 2008

Todo GC é inocente...



...até prova em contrário.

Seria Eliana colocando os dedinhos pra trabalhar?

14 de dezembro de 2008

Especial Fim de Ano - Snoopy



Como uma programação diferente pro fim de ano, montei esse pequeno programa/mixtape com algumas músicas clássicas dos desenhos do Snoopy para a televisão.

Contém:
* Joe Cool - B.B. King
* Lucy Is The Boss
* Musical Cheirs
* Slow Slow, Quick Quick!


Divirta-se!



Download do MP3

12 de dezembro de 2008

11 de dezembro de 2008

Pensando alto...

O Twitter é o espetáculo Improvável do nosso dia-a-dia, não?

9 de dezembro de 2008

8 de dezembro de 2008

Música: A de antes, a de hoje e a de daqui a pouco.

Nos últimos dias, no meio da confusão das compras de final de ano, contatei um fato que há tempos ficava só no campo da teoria: As lojas de CD praticamente foram exitintas do centro da cidade. Duas fecharam, uma se concentrou como sebo e outra passou a vender mil bagulhos com somente só uma estantezinha com discos.

Ao desavisados gritam: "A indústria fonográfica está afundando! A música vai acabar!" Mas eu digo que não.

A indústria fonográfica pode até subir no telhado (nada que nos livre dos funks ridículos que aparecem sazonalmente, infelizmente) mas a música não vai morrer. Até porquê quando o homem aprendeu a fazer música, as gravadoras nem existiam.

Vejam o exemplo desse cara, um sucesso absurdamente viral com sua sarcástica canção sobre o Twitter:



Como ninguém é digno se não estiver no Twitter, Ben Walker lógicamente tem o seu. Nele foram narrados todos os acertos e tropeços da sua nova empreitada, o seu novo álbum, que agora está pronto. Em formato digital. E você já pode comprá-lo, pagando o valor que quiser, tal como foi com o caso do 'In Rainbows' do Radiohead.

Ben faz parte da chamada classe média musical. Aquele artista que está entre o completo desconhecimento e as multidões de lotar estádios de futebol.

Ben Walker já sacou qual é a jogada. Vender música hoje é muito mais do que um simples sampler de áudio, é uma experiência. Apesar de estar já muito desgastada pelo 'propagandês' moderno, experiência é o que melhor define o "Case Ben Walker". Você também acha que a Internet tranformou muito lixo em cultura? Você odeia as manhãs? Você acha que um cara extremamente despenteado narrando as mazelas que todo mundo percebe diariamente falaria muito sobre você mesmo? Pois bem, é com essa empatia e proximidade com o público (através de rede sociais, do blog e do Twitter) que ele conquista sua identificação. E só depois ele vende seu produto, a música.

Essa classe média que não tem como sonho de consumos iates e mansões, mas poder viver e sobreviver da sua arte. Talvez consiga. Odiando as manhãs ou não.


E que sirva de lição pra todas aquelas lojas de discos que um dia enfiaram a faca na nossa carteira.


** Como na blogosfera nada se cria, tudo se recicla, esse post também não existiria se a Pati não tivesse encontrado essa música no Blip e narrado no blog.

7 de dezembro de 2008

Post "pedindo pra ser xingado"

Parabéns Ariane González pela eleição da Musa do Brasileirão!



Eu sei que os são-paulinos estão ignorando o assunto, mas esse blog se compromete em sempre divulgar notícias importantes.

4 de dezembro de 2008

Café: O lado negro da Força

Muito se fala da atração da gravidade, somada a de Murphy, exercida em cima da manteiga (que hoje em dia nem mais manteiga é, as margarinas bio-vita-plus-light com gosto mil azeites dominam). Pouco se fala do famoso acompanhante do pão, o café.

O café exerce forte atração por tecidos, especialmente os claros.

Estava indo para a segunda caneca de café quando não mais que interesseiramente, vai café na minha roupa. Tá, eu tento limpar só com a água da torneira. Burrice. Acorda Micael, ISSO É CAFÉ! Um dos maiores motivos de sucesso dos poderososa Vanish's da vida, junto com os sucos em caixinha, vinhos Chapinha e o batom da sua amante no colarinho.

Vou até a área de serviço buscando algum alívio, mas o sabão e a esfregação não resolveram. Vou ter que botar, mas #comofas//

E dá-lhe balde!

Mancha 1 x 0 Eu

E dá-lhe água escorrendo pelo piso!

Mancha 2 x 0 Eu

♫ Sabão em pó! Cadê você? Eu vim aqui só pra achar você! ♫

Mancha 3 x 0 Eu

Daí pedi um tempo. O placar começou a ficar humilhante demais pro meu lado...

1 de dezembro de 2008

Mini-Woodstock caipira

Foi realmente um bom domingo pra sair de casa e dar um pulo na cidade dos peixes pulantes. (por coincidência, agora é época de piracema).

Eis o evento. Não te lembra um programa de TV do de Santo André?


16:00 - Tudo pronto pra começar.


Minha intenção inicial seria participar do bate-papo com a banda Cachorro Grande pra soltar a capciosa pergunta "Vocês tem raiva do CQC por terem copiado seu figurino?". Infelizmente não deu. Cheguei lá às 16 horas, no horário marcado e... não tinha ninguém. Fui dar uma volta e nisso eu me perdi no tempo. Quando voltei já tinha passado e muito do horário.

Eu realmente não tenho sorte com nada que envolva a banda Cachorro Grande mesmo, (não ria, Brenda!) já que também pela hora que tudo se transcorria não tive condições de ficar para o show deles também.

E o que tivemos no palco além do Big Dog do Rio Grande do Sul?

Começamos o domingo (na verdade foram 3 dias de shows, mas só pude ir neste) com o Grupo de Pífanos Flautins Matuá, de Campinas. E dá-se início à invasão hippie no Engenho Central.

Pra quem não é do movimento paz e amor e/ou muito cara-de-pau, foi preciso uma dose cavalar de boa vontade pra continuar na platéia e conviver com tantos rituais dançantes do "balacobaco", mesmo que essa expressão não tenha feito muito sentido nos anos 60, mora?

Mas a boa vontade de todos valeu muito a pena. O grupo, que se inspira fortemente nas raízes culturais do interior do Brasil, principalmente nordestinas, deu um brilho especial à tarde píracicabana de domingo.

Eu já esperava um bom show do grupo de pífanos, o contrário do que eu esperava de Pipo Pegoraro e Banda. Felizmente eu estava redondamente enganado.



Eu arriscaria a comparar o trabalho com Max de Castro, mas reconsiderei. Eles vão muito mais longe: Misturam influências de MPB, drum'n'bass (com DJ ao vivo no local), passando pelo soul de Jorge Ben e intercalando com as raízes do RAP, improvisando ali na hora com um dos parcipantes do evento. Simplesmente incrível.

Exatamente o oposto que aconteceu com Pipo Pegoraro, aconteceu com o Chavala Talhada. Estranhamente a única banda que se declarou de "rock" no release foi a que mais longe passou disso no palco: Baladinhas pop, homenagem reggae... Se eu tivesse feito questão de só ter visto essa banda saíria de lá muito decepcionado.

A noite já caía e o movimento começava a ficar grande no Engenho. Agora é que os fãs de Cachorro Grande começavam a chegar ao local, a maioria vindo de outras cidades, como a quantidade de mochilas nas costas denunciava. Deviam ter feito que nem a garota que estava do meu lado na grade durante os primeiros shows, ela veio de São Paulo pra ver CG, mas chegou cedo e viu o evento do começo ao fim. Valeu a pena, guria!

O próximo "Cena Musical Independente" acontece dias 12, 13 e 14 de dezembro em São Sebastião e até agora estão confirmados shows com Autorames e Plebe Rube.

Eu quero ir, #comofas/

28 de novembro de 2008

Antenado até demais

Estou tomando banho. Até então com todas as minhas preocupações voltadas somente para qual música eu gostaria de cantar, já que passei 12 horas trabalhando fundo sem uma única semi-colcheia de música sequer, logo precisava me "desintoxicar" desse mundo real.

Tive uma sensação estranha de urgência. Fechei o registro pra tentar ouvir o som ambiente. Nada. Mas parecia que algo me chamava... Muito estranho.

Saí do banho e fui pro meu quarto. Quando eu passo pela janela vejo... sacolas na frente da porta.

- Mãe?
- O quê?
- O lixo ficou na porta?
- Não! Porquê?
- Tem um monte de sacolas aí na frente!

Um segundo de reflexão depois:

- Ô mãe, foi o pai que chegou do mercado. Ele deve ter batido na minha janela pra abrir, e eu não tava lá. Não ouviu chamar aí?
- Não!


Agora creio que tenho antenas muito potentes demais pra minha cabeça:

26 de novembro de 2008

Minha vida medieval

Esse blog tem neura até no nome. Então vamos à elas, sem rodeios:

Eu tenho pânico de hospital. Medo eu tinha aos 10 anos, hoje eu tenho pânico. Tanto que eu sou capaz de entrar num e me manter extremamente frio, só pelo estado cataleptico que o pânico pode me causar.

Logo deduzível, tenho mania de doença. Daqui em diante, falo mesmo, a culpa é do meu pai. Era sempre ele que via doença em alguma coisa simples e inocente. Uma verdadeira enciclopédia médica do mal: Pernilogo te picou? Pegou dengue. Esqueceu a comida no fogão? Intoxicação alimentar. Picada de abelha? Crise alérgica, e assim por diante.

Já estava horrível, mas dava pra ficar pior: Minha mãe, que morou durante muito tempo em zona rural, então todo mundo tinha que se virar. E virava através de um livro chamado "Onde Não Há Médico" (pausa para pensamentos altamente pessimistas sobre o tema). Por favor, não tentem exagerar nas tintas ao pensar numa criança lendo nesse livro mais moléstias por minuto do que um intervalo do Discovery Home & Health.

Tá, mas pra mim chega.

Eu já devo ter escrito isso no blog antes mas agora eu escrevo de novo: (porque eu sei que você nunca vai procurar isso nos arquivos, admita) Eu fiquei tão neurótico que eu não consigo mais acreditar nas minhas neuras.

É sério.

Tudo porque o dia de hoje não me mereceu, ou eu não o mereci. Não importa, a ordem dos fatores não altera o produto.

Me caiu a ficha que eu estava TÃO LONGE da realidade que não conseguia nem enganar a mim mesmo. Imaginar que possibilidades tão pequenas de hipóteses irão acontecer comigo chegaram ao nível tão estratosférico é uma coisa que nem a melhor das boas vontades possíveis poderiam engolir. Eu já me imaginei tão doente que já não consigo ir além disso. O monstro parou de crescer por falta de espaço.

Ufa. Parece que as neuras dessa vez pifaram.

PS: Ainda escrevo algum artigo sobre a pauta das doenças que esses médicos absolutistas tentam fazer da nossa vida.

PS 2: Obrigado, mas não quero ver uma sessão de Dr. House agora.



Ops, faltou a tag:
#prontodesabafei


PS 3: Coincidência ou não, a CBN falou desse assunto hoje mesmo.

23 de novembro de 2008

Pontos de vista

Você que vê esta chamada num portal qualquer...


Ainda tem algum interesse de ler essa matéria um pouco mais abaixo?



Morrerei pobre então, mas que seja de morte morrida, não matada.

19 de novembro de 2008

A propósito...

Coldplay vai se separar até final de 2009, diz vocalista

"Eu tenho 31 anos e não acho que bandas devem continuar depois dos 33", disse Chris Martin




Sei. Deve ser aos 33 que os críticos começam a crucificar as bandas.

Computer Chronicles*

Mais uma relíquia saiu de casa hoje, e ainda bem que dessa vez, não foi pro lixo.

O Celeron 433 que roda Windows ME finalmente achou um lar mais necessitado que o meu e foi cumprir mais uma nobre missão.

Ele foi comprado lá pelos idos anos de 1999 (ou quase-2000, como queiram chamar). Capado, com só UM slot de expansão (do tipo "o que você escolhe, USB ou modem? Não dá pra por os dois"), memória colada com cola Tenaz e mil outras deventuras que todo objeto que cai em minhas mãos acaba por atravessar.

Junto deste PC, deixou o nosso conturbado lar um HP DeskJet 400 que nos serviu por nada menos que QUINZE ANOS sem pifar!

Bem, claro que existe algum probleminha aqui, outro lá, típicas coisas da idade. Mas ela ainda dá conta do recado traquilamente. Ou nem tanto, já que ela é uma impressora, ou seja, a pior raça de equipamento já inventada pelo homem, e talvez a que mais rapidamente o leva o mais próximo possível do inferno na vida moderna.

(Será que eu posso contar que ela veio de contrabando de Miami? Existe já anistia para eletro-eletrônicos?)

Bom, essa foi a última foto dela, já embarcando rumo ao seu novo destino:



Espero que eles tenham um final de vida-útil muito feliz, ou que pelo menos tenham um melhor do que daquele 486 que foi vendido pro ferro-velho, triturado, e que me rendeu míseros 8 reais...

* Esse era o nome de um programa de TV nos EUA da década de 80 que falava só sobre computação. Considerando a época isso era uma baita ousadia. Confira mais sobre essa pérola no Google Vídeos

18 de novembro de 2008

Prestação de contas

Também conhecido como "que porra esse cara tá aprontando que não atualiza isso aqui?!"

- Lancei a primeira edição de um audiocast sobre música.

- Ajudei a escrever e revisar uma resenha sobre o "Polisenso"

- Arrumando bugs pra vr se, Deus queira, o site entra no ar esse ano.

- Editando os casamentos, agora em HD, ou seja, muitos pepinos à vista.

Fora tudo isso, em caso de emergências e plantões da Globo, encontre-me no Twitter.

16 de novembro de 2008

O vesgo, o câmera e a manteiga.

Acho que demorei pra usar este blog pra contar as minhas aventuras e desventuras em transformar em rotina aquele momento que se torna único na vida das pessoas: O casamento.

Não, eu não realizo casamento, eu apenas os registro. E isso me dá uma liberdade absurda para observá-lo, analisá-lo e concluir: O casamento é o onde aflora o melhor e o pior de todo ser humano. Em questão de poucas horas você pode ver a pessoa mais bem vestida em toda sua vida se acabar dançando o créu.

Como é muita história pra um post só, vamos nos manter no que aconteceu hoje.
Você sabe como funciona uma câmera? Tá, você não é um técnico de eletrônica, mas supõe que a lente serve pra pegar as imagens. Sendo assim, ela fica apontada para o alvo a ser gravado, certo?

Existe um cara que não entende isso. Assim ele agia:

- Ô!!

(Todo cara que filma não tem identidade. Se tiver, ela desaparece na mesma velocidade que você pressiona o botão "rec". Até um ex-professor meu já me ignorou solemente por eu estar portando uma câmera)

- Ô!! FILMA AQUI!

Tá, eu já apontei minha câmera pra lá.

- FILMA AQUI!! AQUI!!

Eu já apontei pra lá e apertei REC. O que mais ele quer que eu faça? Sapateie?

- AQUI! AQUI! FILMA AQUI!

Já estou checando o fato do indivíduo ser vesgo, ás vezes isso faz a gente se enganar quanto aos lados.

- FILMA!! FILMA!!

Não amigo, eu vim aqui user seu telefone. Você saberia me informar o número do hospício?

- Ô!! FILMA AQUI PÔ!

"Não, não estrague a câmera, ela vale muito mais do que aquela pessoa."

E como todos tem direito à um milagre, além de ser burro, o cara tem déficit de atenção e esqueceu toda essa história ao ver uma cerveja em sua frente.

***



Lembrem-se sempre que o salário de um cinegrafista de casamentos e festas tem sempre como base de cálculo os seguintes itens:

- Aguentar os chiliques das cerimonialistas.
- Perdoar os fotógrafos que entram na sua frente.
- Suportar os parentes bêbados.
- Tentar ignorar o mau gosto dos DJs de festa e o fato que eles não tem o mínimo talento ou preparo para serem DJs.

Quer dizer, deveria ter.

13 de novembro de 2008

Não deu nas manchetes

Assim estava a Rua Dom Pedro na altura do Clube dos Cavaleiros ontem à tarde:



O que será que aconteceu?

1) Revolta dos cães contra os jornais velhos que colocam para eles urinarem.
2) Lavadores de carro protestando contra pessoas que colocam jornais no assoalho.
3) Candidato que dormiu um pouco no ponto e perdeu o dia da eleição.
4) Atentado terrorista na sede d'O Liberal.

11 de novembro de 2008

Ativos e passivos

Não, não vamos falar de atitudes sexuais aqui. O assunto é opinião, pura e simples.

O seu papel na sua rede social, real ou virtual, é ativa ou passiva? Você sugere ou só fica aceitando sugestões? Você questiona ou só concorda que existem pontos falhos, genéricamente?

Já existe a velha lei que a natureza odeia o vácuo. Basta existir um espaço em vazio para que ele seja ocupado logo em seguida. E isso vale pra tudo, especialmente para nossas atitudes.

Não estou aqui querendo dar uma aula para ditadores e sim gerando pessoas com auto-iniciativa. Pode perceber o mundo ao seu redor, sempre as pessoas que agem tem resultados melhores do que as pessoas que simplesmente reagem.

Crescemos ouvindo dos nosso avós e pais de que não se deve enfiar o nariz onde não é chamado. Mas se a conversa acontece ao alcance dos nossos ouvidos, porquê não contribuir, redistribuir e reescrever tudo de novo? Enfim, promover a ação?

Esse assunto todo merece no mínimo um páragrafo pessoal e prático: Nada contribuiu mais para minha xeretada onde não é chamado que o Twitter. Diferentemente do orkut, onde existe todo um exibicionismo através de fotos, vídeos e links para todos os lados, a interface simplista do Twitter é um convite a intimidade e objetividade, e o fato de você não necessariamente ter que acompanhar uma pessoa para interagir com ela ajuda. Se um contato X conversa muito com um amigo seu, logo você vai a começar a espiar o que ele posta só pra entender de que assunto os dois estão falando e se você começar a se interessar pelo ponto de vista desta pessoa... bum! Você está seguindo mais um.

Assim se constrói a nossa teia social, e assim como a da dona aranha que subiu pela parede sempre nos mostra, tecida com suas próprias mãos.

6 de novembro de 2008

4 de novembro de 2008

McFly - Don't Stop Me Now

Sim, eu estava com saudade de postar alguma música por aqui. E o mais incrível ainda, até agora não tinha recomendado nenhuma música do McFly.



***



Pegando um gancho no curioso post da Cler sobre a entrevista de Glória Maria com Freddie Mercury, achei que seria digno recomendar a minha versão preferida do clássico do Queen, Don't Stop Me Now, gravada em 2005 pela banda inglesa McFly.

Gravada para o famoso evento filantrópico Comic Relief, ela figurou como "b side" em um dos singles da banda e também garantiu seu lugar no álbum "Motion In The Ocean", e você pode ouvi-la logo abaixo. Se não primou pela originalidade, com certeza primou pela fidelidade à original:





***



Em tempo: E já que estamos falando do Queen, porque não citar também uma das vinhetas do VH1 que tem essa música como trilha? (Por sinal, uma série de vinhetas que eu gosto muito)



3 de novembro de 2008

Local imprórpio


Mas que charutão branco é esse aí dona?

Fora de contexto


Tá, e daí?
Que eu saiba o microfone tá livre, solteiro e desimpedido no momento...

1 de novembro de 2008

Diário de bordo: Oi São Paulo

Para prestar contas à todos que estão me perguntando como está sendo o teste da Oi, vai aí as minhas anotações e impressões sobre o assunto depois de uma semana de serviço:

- Na capital, começo a funcionar lá pelo dia 18. Já aqui no interior de DDD 19 começou a operar no dia 23.

- Usei o DDD para Oi Fixo, os 20 reais deram pra exatamente 15 minutos de conversa.

- A partir da noite do dia 24, o sinal começou a oscilar, o que não acontecia dia 23

- Dia 25 o problema foi resolvido.

- Além dos créditos de 20 reais válidos sempre por 24 horas, apareceu mais outros 20, válidos por um mês, sendo apenas para Oi Móvel e fixo em ligações locais.

- 29/10 - Durante um temporal na cidade, a Claro praticamente parou de funcionar durante toda a chuva. A Oi funcionou sem problemas.

- Até agora em todas as ligações feitas, qualidade perfeita, sem os cortes e clipadas já habituais da Claro.

- Dentro da cidade de Americana, a cobertura também está boa. Detalhe para os interiores de casas e prédios, onde era fácil a Claro perder sinal, a Oi funciona relativamente bem. Não sei qual é a frequência que a Oi opera, pois é bom lembrar que isso influi muito nestes casos, não só a rede da operadora.


Até aqui isso é tudo o que tenho a dizer até este momento. Pretendo ao longo de mês testar em outras cidades da região pra perceber melhor como anda a expansão da rede, já que cidades como Nova Odessa, Rio Claro e Mogi Guaçu tem previsão de cobertura para no máximo o fim de novembro.

31 de outubro de 2008

Querem acabar com a festa...



Mal o Halloween começa a pegar no Brasil, já vem alguns chatos acabar com a festa.

Sinceramente, não tenho nada contra o saci. Tenho sim algo contra essa mania infantil de certas pessoas de sempre quererem estragar a festa. Claro, a festa dos outros.

O Halloween começa a ganhar força no país não só porquê é dos EUA. É porque o Brasil está perdendo a sua culpa católica de achar que tudo relativo a morte deva ser condenado. E principalmente porquê o brasileiro quer festa, e ele encontra a festa. Tudo se soma, se multiplica, e tá pronto.

Querem que esse "dia do saci" dê certo? Inventem uma festa pra vocês, com suas regras e seus costumes. Quem sabe dê certo. Talvez até com a ajuda do Twitter, afinal, hoje em dia até coisas idiotas e sem sentido como o Dia de Falar Portunhol dão certo...

28 de outubro de 2008

A crise.... de riso

Já discutimos várias vezes quem é o melhor canal, se é a Globo News, Band News ou a Record News.

Apesar de ter originalidade zero nos nomes existem sensíveis diferenças nos formatos, coisa que também não vou discutir aqui. Só quero deixar claro que no fator "altas crises de riso", a Globo News ainda ganha de lavada.

Confira o fino da bossa dos bastidores que rolam na internet:





26 de outubro de 2008

A imagem e a legenda


Proveitosa? Pra perder um quilinhos, lógico!

Happy end

As nossas notícias trágicas do dia-a-dia seguem sempre um mesmo script:

- Tem morte muito violenta, quando não bizarra.
- Agoniza na UTI ou ao decorrer da investigação.
- E termina com doação de órgãos.

Pior de tudo é que tentam vender isso como um final feliz.
De uma historia que nem devia ter sido iniciada.

Muitas operadoras?

25 de outubro de 2008

Num balanço geral

Sábado complicado. Problemas pra resolver, coisas à arrumar, calor e mesmo assim o dia acaba sem ter feito tudo que devia.

Pra piorar, no mesmo dia o Palmeiras perde de 3 à 0 pro Fluminense no mesmo dia que o Corinthians volta à série A.

O Estadão, jornal que eu passo a odiar cada dia mais, me liga fazendo uma venda que eu acho absurda e ainda insinua que sou ignorante. E rouba mais tempo do meu dia.

E o mais inconcebível de tudo, EU RECEBO DEZENAS DE MENSAGENS TOTALMENTE EM MAIÚSCULAS!!!


Vou buscar ali mais uma porção de paciência, já volto.

Música embed

23 de outubro de 2008

Palestrando em mão dupla

E lá fomos nós.

Do dia 5 de outubro, onde os fatos aconteceram até ir pro auditório foram 17 dias de twitadas, idéias e conversas.

Apesar dos imprevistos, nem ao entrar no palco as coisas paravam de mudar, de se reinventar. Como seria muito natural pro assunto que viria a seguir.

Tivemos a oportunidade de fazer entender que hoje quem não se manifesta, é engolido. E não importa qual seja sua força de impacto, sendo uma boa idéia, ela vai reverberar.

Acho que nada simboliza melhor esse espírito que a idéia basica do twitter: O "twitt", o canto de um pássaro, que pela Internet se trasmite, se compartilha, se combina, se expande e se amplifica, multiplica-se exponencialmente, até chegar em algo gigantesco. Tudo isso resultando em mais que novas idéias, novos conceitos, novas conexões entre pessoas, como aconteceu comigo dentro de toda essa saga.

Agradeço ao pessoal da UNISAL, o Fábio e a Patrícia por poder brincar com as idéias em público, e pricipalmente à esses dois últimos por terem adotado esse blog de onde o Judas perdeu o pen-drive, para o centro das discussões e cunfusões do nosso mundo virtual.

E também agredecer a platéia também, que já captou a mensagem e já está retransmitindo por aí. Digitalmente e analogicamente, pois aqui foi só o começo. Twite, escreva, opine e vá a luta. Aqui estão as ferramentas, o conteúdo agora só depende de você.

Estamos em contato.

Ou seja, "beijo-me-twita"!

Twitter via SMS + Diga Oi

Como falamos muito do Twitter na palestra de ontem do UNISAL e amanhã a Oi estréia oficialmente, já funcionando em vários lugares, essa dica é em tempo:

Foi falado lá sobre um serviço brasileiro que permite postar no Twitter via SMS. Este é o sms2blog. É rapidíssimo para se cadastrar, bastando apenas colocar lá o seu login e seu número de celular, daí é só mandar um torpedo pro número anunciado no site e pronto, sua mensagem está lá.

A brincadeira fica mais legal ainda com a promoção de lançamento da Oi, que inclui também torpedos pra celulares de qualquer operadora. Eu já testei e funciona.

Twitter for the masses!

PS: Sobre a palestra, mais tarde falarei um pouco sobre o papo :)

Em folhas limpas

Há poucas semanas a CBN estreou um programa batizado de "Notícia em Foco", que vai ao ar todas as segundas-feiras às 19horas.

Sim, você está se perguntando "Mas essa hora tá passando a Voz do Brasil". Infelizmente sim, pra nós aqui que recebemos a CBN Campinas, é verdade. Mas São Paulo e Porto Alegre já conseguiram se imunizar contra essa praga através de ções judiciais e estão preenchendo sua grade com interessantes programas neste horário.

O "Notícia em Foco" trata do jornalismo, puro e simples. Como eu comentei com a Patrícia, 'é como se fosse uma reunião de pós-produção no ar': Marisa Tavares, diretora de jornalismo da Rede CBN, Renato Machado, âncora do Bom Dia Brasil e colunista da rádio e Roberto Nonato, âncora do Jornal da CBN vêm à público discutir o que foi certo e errado no noticíario, as dificuldades, os dilemas éticos e como fazer ainda melhor o trabalho, ou seja, levar a notícia.

Como não podia deixar de ser, o assunto dessa segunda foi o caso do sequestro em Santo André. Sim, o assunto foi abordado à exaustão essa semana, mas vale a pena ouvir não só para saber como tudo aconteceu, mas também a opinião dos repórteres que cobriram esse fato, as divergências da redação, as críticas dos ouvintes ao vivo pelo e-mail, entre muitos outros pontos à observar. Confira.

Ah, o programa pode ser ouvido em qualquer lugar ao vivo pelo site da rádio ou pode ir direto pro seu MP3, pela versão podcast.

21 de outubro de 2008

O cliente sempre tem razão

(ou "cada história que eu ouço no ponto de ônibus...")

- Senhora, o seu decoder fica em pé ou fica deitado?
- Olha me filho, faz tanto tempo que eu não vejo algo em pé aqui em casa...


E quem sou eu pra duvidar de alguma coisa...

Política à carioca

Já devo ter comentado aqui como o candidato Eduardo Paes quer ser mais cool que o "vapor barato" Fernando Gabeira, decobrindo o CQC como sua grande mídia.
No programa de ontem, ele prometou que, se eleito, dará a primeira entrevista para o programa.

Que eu saiba quem tem (ou tinha) esse hábito era o presidente Nestor Kirchner. Será que o CQC Brasil já tá com essa bola toda?

20 de outubro de 2008

As twittadas do dia

Quem disse muito falando pouco no dia de hoje:

viniciuskmax: Difícil de acreditar: o monstro está "sendo poupado da notícia da morte", sorte que a mãe jamais poderia ter. Cúmulo da inversão de valores.

***


baunilha: O transito de sp é causado por esses desesperados que nao conseguem ficar quietinhos em suas devidas faixas.

marioamaya: @baunilha O trânsito de SP é causado por esses desesperados que não conseguem deixar seus carros quetinhos na garagem ao irem à padaria.

***


bidola: @tasantos @micaelsilva Quando vocês escutam música no Blip, ela fica pulando? =/

tasantos: @bidola se ele fica pulando? depende, só nas músicas mais animadinhas.. ho ho ho

Day after

Lembra do pós-Isabela Nardoni que "choveu" criança pela janela na semana seguinte?

Ouvi no Repórter CBN da 1 da manhã que a região de São Paulo tinha registrado 8 casos de cárcere privado na últimas horas.

Sinceramente, você acha que é a mídia que antes não olhava pra estes casos ou o pessoal vê a repercussão da coisa na impresa e resolve fazer igual?

Show de graça sempre ajuda!

Esto domingo, dia 19/10 aconteceram os 5 shows simultâneos de lançamento da Oi em território paulista, apesar dos celulares só funcionarem do dia 24 pra frente.

Sobre toda essa ação publicitária, existem pontos que não posso nem quero deixar de ressaltar:

1- Apesar do ramo de celular estar extremamente ligado ao mundo jovem e de tecnologia, é de se ficar admirado que nenhuma outra operadora tenha feito uma ação tão próxima ao seu público como a Oi promoveu junto às suas agências. Conseguiu atingir em cheio os ambos: O jovem, relizando shows de grandes nomes da música de graça, e o de tecnolgia, investindo pesado em divulgação usando o Twitter, YouTube, Flickr e blogs.

2- Foi frustrante saber que toda essa movimentação não teve o retorno que prometia ter, pelo menos no setor virtual. O Live Stream não empolgava, apesar do esforço de algumas pessoas, que em alguns momentos pareciam animadores de platéia. Nada contra os animadores de platéia, mas eu perticularmente tenho avesão à isso.
Pesou contra também erros estruturais, como a organização de categorias no blog e problemas no upload de fotos. Não que sejam graves problemas, mas quanto mais um operadora quer chegar "chegando", mais esse errinhos a toa ficam visíveis e sujam a festa.

3- Falando em cobertura via Twitter, os shows da Oi montaram um paradigma gigantesco: Uma das grandes vantagens do Twitter é o fato dele poder ser facilmente atualizado por celular. Só que a Oi não poderia incentivar este artifício poderoso, já que só pode começar a funcionar dia 24. Ou seja, a Oi acabou impedindo a melhor forma de divulgar seus planos de dados para a grande massa!

Considerando a cobertura blogueira, não teria sido melhor ter agendado os shows pro dia 25 então?

UPDATE: Outro ponto que não pode ficar de fora é que a Oi investiu pesado em um relacionamento direto com o cliente nesta campanha de estréia em São Paulo, principalmente com o Twitter. Isso é ótimo, mas e a hora que a coisa "pegar fogo pra valer" e aparecerem os primeiros problemas com a operadora, estes mesmos canais estarão abertos?

Faço votos que sim, por quê se isso acontecer, aí sim numa mais migro pra nenhuma outra operadora.

19 de outubro de 2008

Caras novas

Gosto muito dos comentários da Lúcia Hippólito, tanto no UOL como na CBN, trazendo sempre bom humor com análises exatas da noss bizarra vida política.

Mas hoje, vendo o reprise do Jornal das 10 na Globo News, eu me surpreendi com a imagem dela na TV. Mas porquê?

Eu nunca tinha me dado conta disso, e talvez você também não, mas a TV tem disso: A gente está acostumado em ver apresentadores homens com bastante idade, mas apresentadoras não.

Quem diria, uma bela dose de hipocrisia no nosso jornalismo bonitinho...

17 de outubro de 2008

Até o fim

A frase desastrada da réporter da Globo no momento do plantão, apesar de ser contra todas as regras do jornalismo, representou com perfeição o sentimento que passou por todos nós:

"Nós não temos a mínima idéia do que está acontecendo!"


Não temos idéia do que se passou na cabeça desse rapaz, no que deu na cabeça da imprensa e muito menos no que deu na cabeça de quem meteu o Muricy Ramalho nessa história. Na verdade, acho que vai ser muito difícil um dia nós realmenete sabermos.

Nesse mar de insanidade, algo me chamou muito a atenção: A persistência da Nayara.

Aquilo que fez a Nayara se manter firme até o final, sair e retornar ao cativeiro com todo o risco que isso envolveu, acho que todos nós sabemos o que é, mesmo que nunca pratiquemos. E tenho certeza que não seria qualquer pessoa que faria a mesma coisa.

Você faria?

Timtim por timtim

DISCLAIMER: Antes que você peça, não vou contar nenhuma piada que ouvi. E não é por chatice, eu simplesmente apaguei ontem à noite e acordei com esse HD mental já formatado... A menos que a ocasião tenha algum gatilho que ative minha memória, não vou lembrar. Porquê assim, no duro, minha cabeça não funciona.

***

"Ah, você é humorista? Conta uma piada aí pra gente!"

Frase que provavelmente figura no hall das 100 piores já formuladas pela humanidade. Seria digna de entrar no show do Rafinha Bastos, mas acho que esta meta-linguagem não funcionaria mesmo sem repertório... (nem em Rondônia?)

A Arte do Insulto? Afinal de contas, quem é o insultado?
Com esse nome sinceramente eu me decepcionei num ponto de achar que viria mais chumbo grosso por aí. (e não me venha responder agora nenhuma piada com gaúcho e chumbo grosso na mesma frase que não cola)

Você já esteve num ônibus lotado, num pronto socorro às 2 da manhã tomando soro ou preso num engarrafamento junto daquela pessoa insuportável? Bom, o nível de (in)sanidade é quase o mesmo.

Mas será que a gente se dá conta do nosso maior atestado de anormalidade? Porque raios a gente tanto insite em tentar ser normal?

Ou será que somos todos fãs de alguma bala de café da vida que nos dá vergonha de admitir em público?

***

Porquê eu fui falar em normalidade? Deu a maior porra louca na polícia, literalmente!

E o que dizer de José Serra dando uma entrevista tranquilamente para a BandNews enquanto o povo se matava ao fundo?

15 de outubro de 2008

Mudo ou não mudo?

Meu blog entrou em crise. O Blogger tem um bom sistema de feeds, mas o sistema de comentários está me irritando. O UOL Blog tem um sistema de comentários que eu acho perfeito, mas o resto é uma droga.

E agora José? Mudou ou não mudo?

14 de outubro de 2008

O passado dos CQCs

Quando se tem um grande acervo de TV em casa, vira e mexe você pode encontrar pérolas. Umas dignas de "Falha Nossa" e outras dignas de "Antes da Fama"

Marco Luque, aquele "avoado" que senta na bancada do CQC toda segunda-feira já passou por trabalhos que talvez você nem imagine. Exemplo? Campanha publicitária de aniversário de uma afiliada da Globo:



Sim, é ele sim, tenho certeza. Em carne, osso e GC errado:

(clique para ver o making of da produção)

Correntes

A nova forma de se manipular as pessoas é fazendo colegens virtuais. Pega-se um boato de 2006, junta com uma matéria publicada ano passado, uma coluna de jornal fora de contexto e uma postagem de anônimo no orkut e voi-lá: Nasce já um factóide que só circula por e-mail porque o governo não quer que as pessoas saibam.

Acabei de responder uma corrente de e-mail com teorias conspiratórias nesse estilo.

Sei que não devia dar trela, mas não aguento. Não consigo acreditar que as pessoas já dentro do século XXI sejam tão idiotas.

Peter, Bjorn and John

Sabe que loucura deu nesse blog? Aboli a segunda musical e transformei essa coluna periódica em plantões de redação que contam as novidades da música.

Esse trio é mais uma bela novidade da Suécia, que sempre nos deu coisas boas como Millencolin, The Caesars e belas garotas.

Tratando especialmente do assunto música, o grupo ainda se parece muito com Caesars no estilo de levar as baladas e seus hits. Relax e agito numa dosa diria até muito bem administrada. E nunca duvide do poder de um refrão que repete, repete, repete e logo logo você é quem está repetindo.

Para tira-gosto do seu ouvido, confira a faixa "Let's Call It Off":



Ah! o MySpace deles.

Só para conhecimento

Se um show do Jorge Velocímetro Vercilo (piada interna) em Campinas te interessar, mande um e-mail para ouvintecps@bandnewsfm.com.br até as 18 horas de hoje e concorra a ingressos. Boa sorte!

A evolução da música

Anos 80:
- Empresta pra mim?
- Traz uma fita aí que eu gravo.

Anos 90:
- Empresta esse CD? Devolvo logo!
- Olha lá! Cuidado pra não riscar!

Anos 2000:
- Empresta seu celular um pouquinho? Vou só passar umas músicas pro meu...


Novas mídias, velhos hábitos.

13 de outubro de 2008

Puro conforto



Esse médico provavelmente atende em domicílio.

Eleições

Ontem eu, Jonatas, Maria Carolina e Vilser comentamos em real-time o debate (e apanha) entre Kassab e Marta na Band.
Se você quiser saber o que de bizarro aconteceu neste debate, não pense duas vezes e confira aqui a prova do crime.

Como falei lá também, agradeço muito a recepção... Entrar de gaiato no navio e já ir pra primeira classe é uma horna suprema!

Dois tipos

Pensando na morte da bezerra, cheguei a uma conclusão hoje: Existem basicamente dois tipos de pessoas metidas em meios de comunicação.

Existem as que gostam de estar lá porquê adoram uma história nova, que gostam de ver diferentes pessoas e as mil realidades que podem acontecer dentro de um único dia; e as que estão lá com o único objetivo de mostrar algo que elas não são, ou seja, os reis da cocada preta, a melhor pessoa do mundo e "tudo que eu falo e faço é foda".

Não é preciso pensar muito pra saber que o segundo grupo é o inferno do primeiro e o segundo vive achando que a única coisa que o primeiro sente dele é inveja. E o primeiro tem que aguentar o fardo de grande parte do público em geral te enxergar dentro do segundo.

11 de outubro de 2008

Bate, pronto

Já perguntou pro seu Firefox quantas vezes você já entrou no Orkut?



Firefox não responde, ele joga na tua cara mesmo.

10 de outubro de 2008

RP

Meus cumprimentos ao Caio do Blumerangue e ao Wallace do Crítica Construtiva.
Até hoje foram os únicos caras que deram feedback de algo postado no blog via e-mail.

Se fosse banco, seria tipo um Personalité

(E este não é um post patrocinado)

Regionalismos

- Cheiro no cangote é o mesmo que beijar no Pará

- Blusa no Rio de Janeiro é o mesmo que camiseta, e casaco é o mesmo que blusa em São Paulo.

- Chamar pra xinxa, bitar e créu é tudo a mesma coisa.

Realmente o Brasil não é um país para amadores.

Sem lenço nem documento


Já passei pela terrivel expriência de ficar sem celular, em São Paulo, sozinho. Pior ainda, na porta do Via Funchal, ou seja, numa multidão enfurecida que subindo as escadas mais parecia uma cena de Rocky.

Mas o problema poderia ter sido pior se não fosse uma neura minha, que acabou sendo muito útil: Vocês devem saber que todo chip GSM tem um PIN. Só que o que a maioria não sabe é que ele pode ser programado pra pedir esse PIN toda vez que é ligado.

Em caso de roubo, furto ou abdução alienígena, uma hora seu celular vai acabar a bateria ou será colocado em outro celular. Daí o chip vai pedir o PIN. Aí está o pulo do gato: Se em 3 tentativas o meliante não acertar o PIN, ele tem mais 10 chances de acertar o PUK, o que é mais difícil ainda. Não conseguindo acertar o PUK, o chip está automaticamente destruído, nem ele nem ninguém vai acessá-lo mais, nem mesmo você.

Mas lembre-se! As operadoras costumam colocar PINs padrão para todos os chips. (3636 pra Claro, 8486 pra Vivo, 1010 pra TIM, 8888 pra Oi e assim vai). Lembre sempre de trocar o PIN original por um que só você saiba

Não que isso vá compensar todo o ônus que você teve, mas é muito bom saber que a pessoa que te passou a mão se fodeu também.

9 de outubro de 2008

Acid Music

De tanto a Pati falar que eu sou "acid", me lembrei dessa ótima banda que mistura blues, drum'n'bass e nossos problemas e preguiças cotidianas: Acid X

Kings Of Leon

Eles andam no topo das paradas de singles, no topo das vendas de álbuns e até foram chamados de autores do "sexyest album ever" pelo Official Chart Show.

Em passagem pela BBC Radio 1, eles deixaram esse registro, a faixa "Crawl" em versão ao vivo.

Se sua quinta-feira está uma porcaria, seu ônibus não passou ou seu banco de deixou na mão, ouça aí pra levantar sua moral:

Univesp TV

Pelo menos uma emissora desse país se mostrou inteligente em realação à TV digital, optando pela multi-programação ao invés da alta definição, a TV Cultura.

E em 2009 estréia a Univesp TV, canal direcionado exclusivamente para a educação e a formação do público.

A iniciativa é altamente louvável, porquê além de trazer um ótimo conteúdo para todos, é mais um espaço para profissionais de TV se desenvolverem, aprimorarem e buscarem novas técnicas e linguagens.

O único ponto perigoso a ser observado é que o canal só estará disponível no sistema digital, ou seja, se ninguém até lá lançar um receptor digital com preços decentes, a Univesp TV vai ver muitas carteiras vazias por um bom tempo...

(dica via Twitter da @tvcultura)

Atrasei...

...mas apareci. Streaming tá ao vivo, aí ao lado

8 de outubro de 2008

Oi SP - uma bagunça diferente

Desde semana passada eu passo regularmente nos pontos de venda da Oi aqui em Americana e nada.

"Olha, tem no estoque, mas ainda não trouxeram pra cá", me disse uma das vendedoras na segunda feira.

Já o Ponto Frio é mais maluco ainda. Tem no site o chip pro DDD 19, mas não pode vender para o meu CEP.

Minha paciência está se esgotando... Já estou na dúvida se vou realmente gastar dinheiro comprando um chip ou recarrego o celular atual, que tá precisando.

PS: Só não foi uma viagem perdida porque tem um pé de pitanga bem carregado na Rua Marechal Floriano.

UPDATE 9/10: Consegui comprar o Oi chip:



Foi na loja do Ponto Frio no calçadão da 30 de julho aqui em Americana. E parecem que vão abrir uma loja própria da Oi no calçadão da Fernando de Camargo. À ver.

UPDATE 19/10: Tem gente já dizendo que seu chip já está funcionando. Não é o meu caso ainda...

Também falando da Oi, comentei um pouco sobre os shows simultâneos deste domingo. Veja aqui.

UPDATE 1/11: Leia o post sobre uma semana de operações da Oi aqui.

Streaming off

Volto amanhã com a edição de notícias locais da BandNews, das 9 as 11 da manhã.

Agora vou dar um pulo no centro pra ver se a novela da Oi São Paulo tem um capítulo novo.

Ao vivo

Já que a BandNews FM Campinas ainda não tem streaming na Internet, você pode ouvir aqui no blog, pela janelinha de video ao vivo ali do lado ->

Layout novo de novo

O blog passou uns dois dias com fundo branco, mas agora ganhou um cobeçalho novo.

Quero fazer especial menção para a caneca verde aí em cima que nos deu a honra de um minuto do seu precioso tempo para posar para este blog.

Segundo informações, ela não pensa em consultar um ceramista para reparar seu defeito na borda perto da asa. Alega que é seu charme pessoal.

7 de outubro de 2008

VMB atrasado

O assunto já esfriou, mas agora que eu vi o show do Bloc Party eu preciso perguntar:

O Kele Okereke é queniano ou ele ficou correndo pelo palco o tempo todo só de bobeira?

Pensatas midiáticas

Muitos coleguinhas bradam aos sete ventos: "A Web é a mídia colaborativa!", "O jornal já morreu!", "O futuro pertence a Internet!", entre outros gritos de guerra. Entre muita coisa. Mas o ser humano comum não enxerga as coisas com amplitude, ou seja, quem enxerga tudo de forma aberta são justamente os gênios da nossa espécie.

Um detalhe na reunião de pós-produção, no final da cobertura da apuração das eleições no canal NET Cidade me fisgou: Além dos correspondentes designados que estavam em cidades específicas para trazer informações, começaram a surgir pessoas que ligavam para o canal e entravam ao vivo com as informações da sua cidade. Espontâneamente. Isso não é mídia colaborativa? Sim. Com telefones, híbridas, num canal de TV a cabo junto com uma rádio AM. Sim, Amplitude Modulada, aquela inventada durante a Primeira Guerra Mundial. Não é preciso revolucionar os meios para revolucionar os conteúdos. Nem sempre.

***

E já que estamos falando deste assunto de mídia social, porque não dizer que o projeto do voluntariado como um todo, também não é uma delas?

Trazer quem seria apenas um receptor de mensagem como outro qualquer para aprender como a mensagem é transmitida, e assim podendo também transmiti-la.

Projetando lá na frente, como a Internet mexeu com o comportamento das pessoas e como elas se comportam diante a informação hoje, será que um dia a TV será inteiramente do jeito que o voluntariado é hoje?

***

Mas, como tudo que revoluciona, sempre encontra pedras e cabeças de coco no caminho (e os coqueiros que me perdoem pela comparação). Confesso que atualmente eu não sei o que está mais difícil de entender: A função de um jornalista no mercado de hoje e do futuro ou se é a própria cabeça de um jornalista confuso num mundo que ele não é mais o último pedágio até a verdade.

Nessa confusão toda, a gente pode até se confundir a primeira com terceira pessoa do singular, mas infelizmente algumas idéias não mudam de lugar: Enquanto de um lado da batalha tem gente que acha um absurdo um telejornal ter patrocínio, do outro lado da trincheira tem até gente que acha um absurdo as pessoas darem sua opinião, seu tempo, sua liberdade e fazer tudo isso com preço zero.

Acho que perdi uma bela oportunidade de não ter me informado disso antes. Porquê eu não vendi me voto então? Procura por esse artigo eu sei que nunca falta, costuma crescer até de 2 em 2 anos. Porquê também não começar a cobrar pelos serviços de blogs que estão Internet afora? Afinal, a gente pode ganhar uma grana com eles botando anúncios, não?

É que na verdade nós conseguimos em poucos instantes botar um preço numa mercadoria. Mas acabamos precisando de anos pra calcular o valor de algo que não tem preço.

6 de outubro de 2008

Um dia de chuva

- As exurradas que descem pelas rua são praticamente celulose pura. Se eu colocar uma tela ali dá pra fazer papel reciclado.

- Existe alguma moda ou superstição que explique tanta gente colocar uma garrafinha de iogurte em cima do guarda-chuva?

- Quem projetou o modelo de calçada com postes nunca precisou usar um guarda-chuva na vida. Simplesmente não existe lugar que você passe entre o muro e o poste sem parecer um equilibrista de circo.

Balanço (balança!!) eleitoral

À partir de hoje, as nossas cidades passarão à trabalhar juntas.

Sempre que for necessário, o prefeito de Americana vai poder recorrer ao prefeito de Santa Bárbara para resolver seus mais importantes problemas.

Estéticos, claro.

4 de outubro de 2008

WTF TV

Eu vivo perseguido pelas opiniões que dou sebre esse assunto, ainda mais porque minha família é evangélica. Mas eu não consigo ficar queito perto dessa insanidade que, se não for controlada, um dia vai acabar destruindo a televisão.

Dia após dia, os programas evagélicos na TV estão rompendo a barreira cada vez mais larga da falta de noção. Veja esta pérola transmitida neste sábado:



Pergunta 1: Porquê cargas d'água se coloca uma câmera em tal lugar sendo que o orador fica praticamente o tempo todo de lado e de costas pra ela?

Pergunta 2: O quê será que existe além do lado esquedo da tela? Me parece uma porta, uma janela, algo do tipo...

Pergunta 3: Se esse indíviduo teve dinheiro pra comprar um microfone de lapela maneiríssimo pra usar no programa, porque ele não gastou uma graninha bem menor com alguém que no MÍNIMO, assista TV pra saber como ela funciona?


Não se preocupem se eu não postar aqui nos próximos dias. Provavelmente algum evagélico esteja doido pra me queimar em praça pública depois deste post.

3 de outubro de 2008

Discrepâncias

Repare bem:

http://blogs.usatoday.com/ondeadline/2008/10/7-year-old-brea.html

Um moleque com 7 anos pode matar uma porrada de animais no Zôo, mas alguém com 12 anos não pode nem comentar esse post.

Aviso

Eu acho as eleições um monento muito importante. Acho que escolher um bom candidato é muito importante.

Mas se você me mandar um e-mail propagandeando/bajulando algum candidato, é direto pro lixo, ok?
Dois já foram.

1 de outubro de 2008

Errei de anúncio

O slogan: "Quem vê, já sabe" [é brega]
O lema: "Acompanhe, todos os dias, as novidades da ______" [é chato]

E o mote é, por incrível que pareça, "pra tirar você da mesmice!"

Um doce pra quem adivinhar quem jogou dinheiro no lixo com essa campanha publicitária.



Ops, ErreiDeAnúncio!

29 de setembro de 2008

A arte da TV também se faz em off


Domingos são perfeitos pra se botar conversa em dia, montar um guarda-roupa e se afundar em memórias.

Tirando montar um guarda-roupa, o resto é sempre muito prazeroso. Já o hábito de se afundar nas memórias depende muito do conteúdo...

Estava assistindo hoje "How Not To Live Your Life" e no final do episódio me chamou atenção a entrada da "continuísta".

"Continuísta" é um hábito que a Inglaterra e outros países ainda cultivam de ter um locutor que, em off, anuncia o próximo programa, dá informação sobre horários, e até pode passar informações sobre trânsito e previsão do tempo.

É uma profissão que pode cair na rotina dos clichês? Sim. É chato pra quem assiste? Nem sempre. Hoje ouvi a locutora anunciar:

Opa! Antes de você mudar de canal, um aviso importante: Semana que vem a série entra no ar às 10:30pm. 10:30, ok?
Mas já que você continua com a gente, porque não aproveitar a maratona de duas horas com "Family Guy"? É em seguida, aqui: BBC Three


O que um bom roteiro não faz, não?
Enquanto isso a gente aguenta na nossa TV um locutor dizendo coisas do tipo "EPTV e você, sempre juntos. Assista agora Jornal Nacional", todos os dias a mesma coisa, a mesma frase.

Isso porquê a Globo em tempos passados já teve locuções muito mais completas, observe:



Lembrando também que enquanto o locutor falava, os créditos do programa apareciam por inteiro, não pela metade ou ultra-capados como hoje.

Afinal, como é domingo, sempre vale falar de saudade. Porém mais do que saudoso de uma época, estou saudoso de coisas que era feitas com amor e com talento...

28 de setembro de 2008

Domingo Musical (6) [Domingo???]

É, essa série do blog acabou ficando esquecida no meio do balanço das horas. Mas tudo que é bom volta, mesmo que seja no dia errado.
Setembro já está voando, a primavera já chegou, (sem nenhuma cara de primavera, mas oficialmente ela tá aí) e eu não posso deixar de lincar aqui uma ótima campanha feita pra rede ABC este ano para as principais séries que voltaram ao ar neste mês:



Gostou da música? A trilha sonora do vídeo é "Setember" do grupo Earth, Wind and Fire, escolhida na ponta dos dedos pela alusão perfeita ao mês de setembro, o grande mês de estréias na TV americana.

Quer ouvir a música na íntegra? Confira no o player abaixo:

26 de setembro de 2008

Os tomates



- Mãe, eu acho que temos que fazer alguma coisa com o tomateiro...
- Porque?
- As folhas estão feias... Deve estar doente.
- Não é doença não, é que ele já tá perto do fim.

Caiu uma ficha que me deixou mudo nessa hora.
Em 3 segundos eu voltei e continuei:

- Você pegou algumas sementes?
- Peguei sim, acho que amanhã dá pra plantar.
- Ah tá. Ok.

Pequenas coisas podem mostrar como você vai enxergar a vida.

25 de setembro de 2008

Rádio: Uma história que não termina



Vou direto a ferida, mas logo logo chego com o Merthiolate.

Quando a TV chegou, a morte do rádio parecia ser certa.
Diziam isso por todos os cantos do mesmo jeito que disseram que o videocassete ia matar o cinema, a internet ia acabar com os Correios... (e com as filas dos bancos também)

Nesse meio tempo, estivemos com nossos carros sintonizados no meio do trânsito, procurando saber as melhores rotas, as últimas piadas prontas do nosso presidente.
Ouvimos grandes sucessos de nossas vidas em radinhos de pilha pedalando nossas bicicletas ao entardecer. Sofremos a adrenalina de esperar na linha até conseguir entrar ao vivo pra mandar aquela música pra pessoa querida. Presenciamos o fenômeno do rock nacional emergir na ondas duma rádio da cidade que dizíamos ter de bom apenas uma bela vista do Rio de Janeiro.

Num tempo que se achava que todo mundo se fecharia num mundo íntimo em formato MP3, os celulares com rádio embutido trazem de volta o "agora" nos seus ouvidos, na praça, no ônibus, no meio da aula de química...

Mais do que um cenário fascinante, um efeito inovador de edição, um apresentador incrível, nós queremos um ser humano com conteúdo. Ouvinte do ouvinte, que passa a ser co-autor de tudo. O rádio está mais perto de nós do que qualquer outra mídia. Ele está no fone de ouvido pendurado na nossa orelha. Ele está na mais longínqua vila da Amazônia. Está nas grandes cidades. Está na nossa vida.

25 de setembro, Dia do Rádio.
Homenagem a Roquette Pinto, o cara que acreditou no rádio no Brasil desde o primeiro momento.

18 de setembro de 2008

Não viva como ele, mas assista



Depois de "The Office", o mundo passou a ver o Reino Unido senão com respeito, pelo menos com mais confiança no que faz em matéria de televisão. E não se trata só dos documentários da BBC.

Poderia falar aqui sobre a série "The IT Crowd", exibida pelo Channel Four, mas no momento não é o foco. Fica pra próxima. Quem merece uma boa olhada é "How Not To Live Your Life".

Exibida atualmente apenas na BBC Three, a série junta o humor non-sense típico da ilha com um pitada de cenas engraçadas direto da imaginação do personagem, no estilo "Everbody Hates Chris". Don é o personagem principal, com seus 20 e poucos anos, herda uma casa de sua avó, com a condição de manter os pagamentos em dia.

Don não é exatamente um exemplo de pessoa responsável, mas não podemos dizer que não seja persistente. Ele ama Abby, a colega que aluga um quarto da casa. Mas ela já tem namorado, Karl, que não vai nem um pouco com a cara do Don.

Dentro dessa casa em tensão permanente, está Eddie, o antigo empregado da avó de Don que ninguém sabe porque, continua trabalhando na casa. Acabou virando um braço direito do patrão, não que isso garanta alguma vantagem...

O personagem de Don é o que podereríamos chamar aqui no Brasil de malandro-romântico: Não faz nada certo, não respeita regras, mas tudo que faz é com boas intenções.

Infelizmente a série ainda não tem pistas de ser exibida no Brasil, mas quem tem YouTube, tem tudo:

Coisas que você não deve fazer ao ser demitido:


Coisas que você não deve fazer com adolescentes chatos:

16 de setembro de 2008

Esse é o tipo de rádio que eu amo

Você acha que rádio é uma mídia ultrapassada e sem criatividade?

Mude seus conceitos e veja o que a BBC Radio 1 fez dentro de um cinema, fazendo piada com os chavões e recursos do cinema:

Obs: Ouça com fones de ouvido e necessáriamente no modo de alta qualidade do YouTube.

15 de setembro de 2008

Balanço

Fazer aniversário perto do natal pode trazer vantagens e desvantagens. A primeira que a gente sente desde pequeno é que todo mundo gosta de economizar e já dá um presente pros dois, o que é muito frustrante pra uma criança. Ainda mais se o presente foi uma meia ou uma cueca.

Depois de crescer um pouco, essa coincidência de datas se funde com a nossa mania de recaptular e reavaliar tudo que aconteceu no ano passado. E o que pode afetar sua vida, bem mais a fundo do que normalmente acontece pra quem não tem um calendário anual desse jeito.

Minha cabeça voou hoje e aterrissou nesse aeroporto filosófico, como um SINDACTA que não controla nada através de seus radares. Pra onde a gente mira fazendo 20 anos?

Por agora, acho que o maior balanço que posso fazer é que hoje eu posso avaliar. O que vale a pena e o que não vale a pena.
Sou briguento pra quase tudo, mas hoje eu reconheço muito melhor que antes: É bom brigar, mas nem em todos os ringues.

Hoje poupo muito mais minhas energias que antes gastava em batalhas inúteis pra usá-las em boas e frutíferas idéias. Eu compro na baixa e revendo na alta. Pode parecer simples, mas isso mudou a minha vida completamente. O número de vezes que caio na cama por conta de esgotamento emocional chegou a praticamente zero.

E ao contrário do que estão pensando, os problemas não diminuiram, eles só aumentaram. Tanto os necessários como os bônus extras de se manter uma vida ativa e controversa dentro da Internet. As salsinhas e os trolls com arroba (e muitas vezes, com fotolog.com) já não fazem parte do meu vocabulário. Ofensas a mim já não tem o puro efeito de ofensa. Eu não sou uma unânimeidade. Não faço questão de ser bem amado, a menos pelas pessoas que assim eu correspondo.

Sinto-me exatamente como na canção da mestre Rita Lee. "O prazer de ser o que sou, de estar onde estou". Sem mais delongas.

10 de setembro de 2008

Na sombra

Existem sensações que são únicas. Algumas são universais, outras particulares de cada pessoa.

Sempre gostei de experimentar da presença oculta, de fazer e saber das coisas sem que ninguém saiba que sei. Traiçoeiro? Não, pelo menos não no meu caso. Deve ter sido influência dos tantos desenhos e gibis que eu assisti e li, dos tantos heróis anônimos e suas identidades secretas.

Lembro que esses dias mesmo eu li no Twitter alguém comentando que viu o seu perfil no site aparecendo na "menor rede de TV do mundo" (mal sabe ele quantos canais NET Cidade existem por aí afora). Achei graça naquilo, mas não me manifestei. Fiquei quieto no meu canto, só observando a discussão sobre a matéria. (avaliada muito positivamente aliás.)

O que ilustra bem uma entrevista que li por aí recentemente, onde disseram: "Ser anônimo hoje em dia é que é glamuroso"

E que atire o primeiro Orkut quem achar que é mentira.

8 de setembro de 2008

?

Ainda não sei o que está me deixando a sensação que estou bêbado o dia todo, a semana toda.
O jeito é curtir o brilho, seguindo a gíria carioca...

Help

Alguém finaliza o processo que está travando o meu pescoço?
Obrigado!

Errando em série



Dentre os erros que Madonna comenteu nesse ato estão:

a) Ter confundido seu público-alvo.

b) Ter achado que o papa é realmente virgem.

c) Ter confundido papa com padre

d) Ter achado que padres gostam de mulheres e não de crianças

e) Ter pensado que os padres gostam mais dela que do Michael Jackson